Mostrando postagens com marcador Acidente. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Acidente. Mostrar todas as postagens

domingo, 27 de agosto de 2017

MUNDO



Acidente em geleira causa morte 


de alpinistas na Áustria


Cinco alpinistas morreram e um ficou gravemente ferido quando o grupo tentou cruzar uma geleira em Krimml, na região de Salzburgo, na Áustria.
O responsável pela equipe de resgate, Anton Voithofer, informou que o grupo de seis alpinistas cruzava a geleira usando cordas e sofreu um acidente.
"Nós pensamos que é uma corda que caiu", disse Voithofer.
Cinco helicópteros de Salzburgo foram à região, que tem cerca de 3 mil metros de altura, para resgatar o alpinista ferido. Ele foi levado para o hospital de Schwarzach.
Um outro helicóptero buscará os corpos dos cinco alpinistas mortos. As nacionalidades deles ainda não foram divulgadas, mas as autoridades já iniciaram uma investigação sobre as causas do acidente.
É o acidente mais grave desta temporada nos Alpes austríacos.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

DF

Roger Molina será cremado e 

cinzas levadas para Cobija, na 

Bolívia


CBMGO/Divulgação 



O personagem central de um episódio marcante na história da diplomacia brasileira — que resultou na queda do chanceler brasileiro Antônio Patriota, em 26 agosto de 2013 — será cremado para que as cinzas voltem ao país natal. Ontem, Daniela, filha do político boliviano Roger Pinto Molina, asilado no Brasil há quatro anos, declarou ao jornal Los Tiempos, de Santa Cruz de La Sierra, que os restos mortais do pai serão levados para a cidade de Cobija.

Molina, de 58 anos, morreu na madrugada de ontem, quatro dias depois de sofrer um acidente aéreo em Luziânia. De acordo com a Secretaria de Saúde do DF, o ex-senador — que em 2015 conseguiu o status de refugiado e vivia em Brasília — foi vítima de parada cardiorrespiratória.
Após suposta pane no motor quando começava a ganhar altura, o pequeno avião pilotado pelo boliviano fez pouso de emergência que terminou em batida frontal contra o solo. Cabeça e tronco foram as partes mais afetadas pelo impacto.

Molina era um produtor rural que se elegeu deputado aos 38 anos. Antes do primeiro mandato de Evo Morales como presidente da Bolívia, elegeu-se senador e apoiou o governo. Bastou tornar-se opositor para virar alvo de denúncias de corrupção por venda de terras públicas que teria rendido US$ 18 mil. Alegou perseguição política e pediu abrigo na embaixada brasileira. E lá ficou por mais de um ano. Mas, na madrugada de 23 de agosto de 2013, ele e funcionários da embaixada, entre os quais fuzileiros navais e o embaixador interino, Eduardo Saboia, saíram da capital boliviana, numa viagem de 22 horas de carro, até Corumbá, no Mato Grosso do Sul. 

A escapada ocorreu, supostamente, à revelia do governo da então presidente Dilma Rousseff. “Foi uma decisão que tomei e não me arrependi, uma circunstância extrema. Eu era a autoridade máxima do Brasil na Bolívia, tinha latitude para isso”, justifica Saboia. “Como se concede o asilo na embaixada e se esquece do senador, sem nenhum esforço para tirá-lo de lá?”

Três dias depois da aventura, movida sob alegação humanitária, chegaram ao fim os 32 meses de Antônio Patriota como ministro das Relações Exteriores do primeiro mandato de Dilma. “É um episódio ainda não completamente esquecido, que mostra que o comando não estava unificado”, comenta o professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB) Roberto Goulart Menezes. “Houve apoio no Brasil, o Saboia não fez sozinho. Houve uma ordem, e tenho certeza de que, se fosse um país mais forte, o Brasil não teria feito isso.”

À época, Saboia foi condenado em processo administrativo e sofreu suspensão por 30 dias. Promovido a embaixador em dezembro passado, ele hoje é o chefe de gabinete do Ministério das Relações Exteriores.

Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Amizade

A relação nascida do convívio forçado com Molina na embaixada de La Paz persistiu em Brasília. “Foi uma amizade forjada na adversidade e, aqui, nos encontrávamos em almoços, ocasiões de convivência a cada mês, mês e meio”, conta Saboia. Ele diz que esteve no apart-hotel onde o boliviano vivia e também visitou a residência da família, no interior do Acre. “Uma casinha; eu conheci.” Para se sustentar, segundo o diplomata brasileiro, o ex-parlamentar vendia gado. “Foi dilapidando o que era dele”, diz.

O MRE publicou nota com manifestação do titular da pasta, Aloysio Nunes Ferreira, para manifestar consternação pela morte de Molina. “Líder da oposição, denunciava no senado boliviano o crescimento da influência do narcotráfico”, declarou o chanceler. “Conciliador, propôs anistia que permitisse a reconciliação política em seu país, com o retorno de centenas de exilados.” Molina era sogro de Miguel Guiroga, piloto do avião que caiu na Colômbia com a equipe da Chapecoense, em novembro passado.
 
 CB 

terça-feira, 15 de agosto de 2017

MUNDO




Queda de árvore deixa mortos e feridos em Portugal



Pessoa ferida em queda de árvore na ilha da Madeira é atendida no local nesta terça-feira (15) (Foto: ASPRESS via AP)
Segundo a imprensa portuguesa, autoridades locais confirmaram que 13 pessoas morreram, e 50 ficaram feridas, algumas em estado grave. Dez pessoas morreram já no local e uma criança a caminho do hospital, onde faleceram mais duas pessoas.

O jornal português "Diário de Notícias" diz que o primeiro alerta para o acidente foi dado às 12h08 e em cinco minutos depois os primeiros socorristas já estavam no local. Entre os feridos há pessoas de várias nacionalidades, incluindo Alemanha, Hungria e França.
De acordo com o jornal Público, as vítimas participavam de uma festa religiosa em homenagem à Senhora do Monte. A festa é considerada uma das principais da Madeira, e acontece entre os dias 14 e 15 de agosto.

Um carvalho de quase 200 anos caiu sobre vários fiéis que acendiam velas perto de uma fonte, diante de uma imagem de Nossa Senhora do Monte, informou a emissora SIC Notícias.
O "Diário de Notícias" diz que a árvore que caiu estava sinalizada desde 2014 por representar risco. Ela tinha o tronco oco e estava amarrada. Diversos moradores da região já haviam registrado queixas e solicitado sua retirada.
A fonte é rodeada por várias árvores centenárias e atrai a cada ano muitos habitantes da Madeira durante a festa do Monte.
O Conselho do Governo decretou três dias de luto oficial e as festividades foram interrompidas. No ano passado a maior parte das comemorações em homenagem à Nossa Senhora do Monte foram canceladas devido a graves incêndios que afetaram a região no mês de agosto.

G1

sábado, 12 de agosto de 2017

DF



Japonês é trazido para hospital do DF após cair de asa-delta em Planaltina, GO

Piloto durante voo de asa-delta no DF (Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

Um piloto japonês de asa-delta ficou ferido após cair em Planaltina de Goiás, na tarde deste sábado (12). Segundo o Corpo de Bombeiros, ele foi trazido de helicóptero para o Hospital de Base de Brasília com múltiplas fraturas, traumas na coluna, na face, no abdômen e no tórax.

A vítima, segundo os bombeiros, é um dos participantes do Campeonato Mundial de Asa Delta, que acontece em Brasília desde a última quarta-feira (9). O homem decolou do Vale do Paranã, em Formosa, Goiás, e caiu pouco tempo depois. Ainda não se sabe o que causou o acidente.

O helicóptero dos bombeiros foi acionado para atuar no acidente, mas não chegou a pousar no local. A corporação de Brasília teve auxílio dos bombeiros de Goiás para atender o homem. Ele foi transferido para o helicóptero e trazido para Brasília depois de estabilizado.

Outro caso

Um piloto alemão de asa-delta foi interceptado por seguranças do Palácio da Alvorada, em Brasília, após pousar no jardim da residência oficial da Presidência na tarde de sexta-feira (11). Segundo a organização do 21º Campeonato Mundial de Asa Delta, ele fez um pouso de emergência no jardim do palácio.

G1 DF

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

MUNDO

Acidente de trem no Egito 


deixa mortos e feridos

Colisão entre trens no Egito deixa mortos (Foto: AFP)
Colisão entre trens no Egito deixa mortos (Foto: AFP)

Um acidente de trem na cidade de Alexandria, no Egito, deixou mortos e feridos nesta sexta-feira (11).
Pelo menos 36 pessoas morreram e mais de cem ficaram feridas, segundo os serviços de emergência do país.
Entre os feridos há vários casos graves, de acordo com a imprensa do Egito. Pelo menos 30 ambulâncias foram deslocadas para o local.
O acidente foi causado pela colisão frontal entre duas locomotivas - uma vinha da capital Cairo, ao sul de Alexandria, e a outra vinha da cidade de Port Said, localizada na ponta norte do Canal de Suez.
A colisão, que aconteceu às 14h15 (9h15 no horário de Brasília) perto da estação Khorshid, provocou o descarrilamento do motor de um trem e de dois vagões de outro, informou a Autoridade Ferroviária Egípcia.
Um erro na mudança de ferrovia é a causa mais provável da colisão, disse uma fonte da área de segurança, sem dar detalhes adicionais. O promotor público Nabil Sadek ordenou uma investigação urgente sobre o caso.
"O trem em que eu estava viajando estava indo muito rápido", disse o passageiro Moumen Youssef. "Eu me vi no chão. Quando nós saímos, nós encontramos quatro vagões de trem destruídos e muitas pessoas no chão". 
Em 2012, 50 pessoas -- na maioria crianças -- morreram quando um trem colidiu com um ônibus escolar ao sul do Cairo.
O sistema ferroviário do Egito tem um extenso registro de acidentes, principalmente por conta de falhas na manutenção e no gerenciamento da rede.
 (Foto: Arte/G1)
(Foto: Arte/G1)
   
  G1






domingo, 6 de agosto de 2017

ACIDENTE

Brasileiro morre após sofrer 
acidente de carro na Itália

Vítima, de 39 anos, era de Jundiaí e estava a trabalho no país, segundo familiar. Carro estava com quatro pessoas e capotou em rotatória.


G1 Sorocaba e Jundiaí 
Rapaz era de Jundiaí e estava a trabalho na Itália (Foto: Reprodução/Facebook) 
Rapaz era de Jundiaí e estava a trabalho na Itália (Foto: Reprodução/Facebook)
O brasileiro Victor Gomez Evaldo, de 39 anos, morreu na madrugada deste domingo (6) em um acidente de carro na Itália. O rapaz, de Jundiaí, no interior de São Paulo, trabalhava como garçom, em Asti.
Segundo um parente da vítima, Vavá, como era conhecido, tinha saído com amigos e não resistiu aos ferimentos após o carro em que estava capotar em uma rotatória em obras. No veículo estavam outras três pessoas, que tiveram apenas escoriações.  


De acordo com a imprensa local, equipes de resgate o levaram para um hospital onde passou por cirurgia e morreu devido aos graves ferimentos. 
A notícia foi publicada nas redes sociais por um irmão que também está na Itália. Conforme o relato, o corpo será velado até a próxima terça-feira (8), em Vercelli, na Itália. Não há informações sobre o translado. O motivo do acidente é desconhecido.  



quinta-feira, 3 de agosto de 2017

BRASIL



Acidente com ônibus deixa feridos na BR-324, na Bahia

Caso ocorreu na altura da cidade de Riachão do Jacuípe, a cerca de 161 km de Salvador. Vítimas foram foram levadas para hospitais da região



Resultado de imagem para Acidente com ônibus deixa feridos na BR-324, na Bahia



Ao menos 13 pessoas ficaram feridas após um ônibus capotar, na madrugada desta quinta-feira (3), na BR-324, na Bahia. De acordo com informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente ocorreu por volta das 2h, na altura da cidade de Riachão do Jacuípe, a cerca de 161 km de Salvador.

Segundo a PRF, o ônibus passava pelo KM 416 da rodovia quando saiu da pista e desceu um barranco. O veículo capotou algumas vezes. Os passageiros feridos foram socorridos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levados para hospitais da região. 

Não há detalhes sobre o estado de saúde das vítimas.De acordo com a PRF, o motorista do ônibus contou que perdeu o controle do veículo após tentar desviar de um carro, que teria invadido a pista contrária. O ônibus viaja da capital baiana para o distrito de Pilar, no município de Jaguarari, região norte do estado.

G1 BA




domingo, 30 de julho de 2017

BRASIL

Motociclista morre em acidente na BR 060, entre Brasília e Goiânia 

http://imgsapp2.correiobraziliense.com.br/app/noticia_127983242361/2017/07/30/613666/20170730171037209486i.jpg
REPRODUÇÃO FACEBOOK

 Um instrutor de motovelocidade do Autódromo Internacional Nelson Piquet morreu em um acidente de moto na manhã deste domingo (30/7), na BR 060, trecho que liga Brasília a Goiânia. 


Helon Vallery Gonçalves, 38 anos, viajava no sentido Brasília/Goiânia quando perdeu o controle da motocicleta ao fazer uma curva, atingindo a defensa metálica do canteiro central no km 39 da BR, em Alexânia (GO).

O corpo de Helon foi encaminhado ao Instituto Médico Legal de Anápolis e segundo o órgão, familiares do motociclista fizeram o reconhecimento e aguardam a liberação do corpo.

  MOTO
Com informações da Polícia Rodoviária Federal

 

 

sexta-feira, 28 de julho de 2017

MUNDO

Acidente com trem deixa 

dezenas de feridos em 

Barcelona


https://s2.glbimg.com/9eMEFyGh_Ur-1pJo4929Up7quV8=/0x0:1700x1465/1344x0/smart/filters:strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2017/m/6/jMB3vsQLiDuwv82YX2dg/trem.jpg
Um trem de passageiros bateu contra proteção com amortecedores no final da linha de estação de Barcelona (Foto: Felix Rios / via Reuters)

Pelo menos 54 ficaram feridas - das quais pelo menos cinco estão em estado grave -, após um trem se chocar contra o limite final de uma via em uma estação de Barcelona, na Espanha, informou a Direção Geral de Proteção Civil do governo autônomo catalão nesta sexta-feira (28).
Ao menos 18 precisaram ser levadas até hospitais próximos. Em cinco casos, o prognóstico dos feridos é grave, entre eles o do maquinista do trem. Outros 30 passageiros dependiam de avaliação médica na mesma estação, ainda que a princípio apresentem ferimentos e lesões mais leves. 

O caso aconteceu às 7h15 (horário local, 2h15 em Brasília) quando o trem vindo de Sant Vicenç de Calders, na província catalã de Tarragona, chegou à estação de França, no centro de Barcelona.

Aparentemente, o comboio não conseguiu frear e bateu contra os limite no trecho final da via 11 da estação. As causas estão sendo investigadas. 

G1


segunda-feira, 17 de julho de 2017

São Paulo

Nota sobre  a tragédia com o voo 3054 da TAM que acaba de completar 10 anos              

 

 Em memória a todos do incidente ocorrido com o Vôo 3054 o Jornal Central Brasil
Tem apenas a pedir as autoridades deste pais apenas que se faça justiça que não se deixe apenas arquivado os processos contra a companhia mais sim que se busque uma solução e que se encontre os verdadeiros culpados e que se pare de se dizer que não há causa alguma ou que foi erro do piloto foi observado que ambos dos pilotos tinham anos de experiência na profissão e que faziam com amor o seu trabalho.                Sobre este incidente que se encontre logo o culpado pois os familiares buscam justiça e não vemos nada feito pela companhia área TAM em relação ao fato que se ocorreu apenas ficou em silencio não ajudou uma vitima se quer ou ate mesmo indenizou os familiares que vergonha isto espero que isso não fique impune que seja feita a justiça e que os culpados se manifestem.                Aos familiares pedimos o seu apoio na divulgação deste pequeno texto para que essas autoridades brasileiras que estão redigindo as leis possam tomar providências sobre este fato não deixaremos que isso seja arquivado e esquecido a nossa dor não passa mais também não vemos uma atitude de ambas as partes da justiça e da TAM espero  que tudo o que esta oculto se revele.                E sobre a todos os que morreram no acidente que Deus conforte os seus corações aqui esta uma lista em homenagem a todos o que morreram no incidente do vôo 3054 TAM:

Adelaide Moura*
Akio Iwasaki*
Alanis Andrade*
Alejandro Guilhermo Camozzi*
Alexandre Rafael de Góes*
Aline Manteiro Castígio*
Alvaro Alexandre da Rocha Pinto Breguez*
Ana Carolina Santos da Cunha*
Andrea Rota Sieczkowski*
Anderson Luis Falleiro Cassel*
André Ura Dona*
Andrei François Mello
Ângela Haensel*
Angélica Rojek*
Antonio Carlos Araujo de Souza*
Arnaldo Batista Ramos*
Arthur Souto Maior de Queiroz*
Atilio Sassa Bilibio*
Bruna de Villy Chaccur*
Bruno Ferraz*
Bruno Nascimento*
Caio Augusto Bueno Dalprat*
Caio Felipe Santos da Cunha*
Carla Fioratti*
Carlos Alberto Andriotti*
Carlos Gilberto Zanotto*
Carlos Rockemback*
Carmen Luisa Victoria Fonseca*
Cassia Negretto*
Cassio Vieira Servulo da Cunha*
Catilene Maia de Oliveira*
Christine Souza*
Ciro Numada*
Claudemir Buzzanelli Arriero*
Clove Mendonça Júnior*
Daniela Bahdur Dias Pinto*
Décio Tevola*
Demétrio Travessa*
Diogo Casagrande Salcedo*
Denilson Lopes Costa*
Deolinda Magaly Victor Fonseca*
Douglas Henrique Outor Teixeira*
Edmundo Bernardo Silva Smith*
Eduardo Mancia*
Elcita da Silva Ramos*
Elenilze Ferraz*
Eliane Soares Dornelles*
Elida Dembinski*
Emerson Freitag*
Enrico Shiohara*
Esio Siqueira Freitas*
Évelyn Cristine Leo Campos*
Fabiana Amaral*
Fabiane Conde Ruzzante*
Fabiano Rosito Matos*
Fábio Costa Balsells*
Fábio Vieira Marques Júnior*
Fábio Velloza*
Fabíola Ko Freitag*
Fabio Martinho Novakoski Fernandes*
Felipe de Aquino Fratezi*
Fernando Antonio Laroq Oliveira*
Fernando Fleck Pessoa*
Fernando Marques Jesus*
Fernando Volpe Estato*
Fernando Tergolina*
Gabriel Correa Pedrosa*
Gilmar Tenorio Rocha*
Gottfried Tagloehner*
Guilherme Duque Estrada de Moraes*
Guilherme Reis Pereira*
Gustavo Martins*
Helen de Cassia Zerillo*
Heloiza Helena Lopes*
Henrique Stephanini Di Sacco*
Heurico Hiroshi Tomita*
Inês Maria Kleinowski*
Ivalino Bonatto
Ivanaldo Arruda da Cunha*
Jamile Ponce de Leon*
Janus Lucas Leite Silva*
Jaqueline Dias*
João Roberto Brito*
João Francisco Caltabiano*
José Américo Flores Amaral*
José Antônio Lima Luz*
João Valmir Lemes de Souza*
José Carlos de Oliveira*
José Carlos Pierucetti*
José Luiz Souto Pinto*
Júlia de Oliveira Camargo*
Julia Elizabete Gomes*
Julio Cesar Redecker*
Karen Melissa Ramos*
Kátia da Luz Escobar*
Katiane Lima*
Kleyber Aguiar Lima*
Larissa Ferraz*
Leila Maria Oliveira dos Santos*
Levi Ponce de Leon
Lina Barbosa Cassol*
Lisiane Cirlei da Pieze Schubert*
Lucas Palomino Mattedi*
Luciana Siqueira Lana Esteves*
Luis Antônio Sarapaio Schneider*
Luiz Baruffaldi*
Luiz Antônio Rodrigues da Luz*
Luiz Fernando Soares Zacchini*
Madalena Silva*
Mara Aline Pereira da Silva*
Marcel Cassal Vicentim*
Marcelo Marthe*
Marcello Rodrigues Palmieri*
Marcelo de Oliveira Pedreira*
Marcelo Stelzi*
Marcio Alexandre de Moraes*
Marcio Rodério Andrade*
Marcos Antônio Lemes Curte*
Marco Antonio da Silva*
Marcos Dias Stepansky*
Maria Elizabete Caballero*
Maria de Fátima Santiago*
Maria Isabel Caballero Gomes*
Mariana Simonette Pereira*
Mariana Suzuki Sell*
Mario Lopes Correa Gomes*
Marli Pedro Santos*
Marta Maria Franco Laudaris de Almeida*
Melissa Andrade Ura*
Mery Wilma Garsk Vieira*
Michelle Leite
Michelle Silveira Unterberger*
Mirelle M. F. Bettiol*
Mirtes Tomie Suda*
Nadia Moyses*
Nadja Soczeck de Paula*
Nelly Elly Priebe*
Nelson Wiebbelling*
Patrícia Hauschild*
Paula Masseran de Arruda Xavier*
Paulo Cassiano Felizardo Oliveira*
Paulo Pavi*
Paulo Rogerio Amoretty Souza*
Paulo de Tarso Dresch da Silveira*
Pedro Miguel Abreu*
Pedro Augusto Caltabiano*
Peter Finzsch*
Priscila Bertoldi Silva*
Rafaella Bueno Dalprat*
Raquel Soares Warmiling*
Rebeca Haddad*
Remy Moller*
Renan Klug Ribeiro*
Renata Oliveira Gonçalves*
Renato Garcia Ribeiro*
Renato Soares da Silva*
Ricardo Almeida*
Ricardo Kley Santos*
Ricardo Tazoe*
Richard Salles Canfield*
Roberto Gaviolli*
Roberto Ilson Weiss Júnior*
Rodrigo Benachio*
Rodrigo Prado Almeida*
Rodrigo Souza Moreale*
Rogerio Tadeu de Laurentis*
Rogerio Sato*
Rosângela Maria de Ávila Severo*
Rospierre Vilhena*
Rubem Wiethaeuper*
Sandro Schubert*
Sergio Freitas*
Silvan Stumpf*
Silvânia Regina de Ávila Alves*
Silvano Almeida*
Silvia Grunewald*
Simone Lacerda Westrupp*
Sônia Maria Machado*
Soraya Machado Charara* 
Suely Antonieta Stumpf Fleck *
Suely Leal da Fonseca*
Thais Volpi Scott*
Valdemarina Bidone de Azevedo e Souza*
Valdir Cordeiro de Moraes* 
Vanda Ueda*
Vilma Klug*
Vinicius Costa Coelho*
Vitacir Paludo*
Zenilda Otília dos Santos*
Pessoas no prédio da TAM Express:
Faleceram:
Adrién Bisson*
Ana Paula Camargo*
Antonio Gualberto Filho*
Alexandre L. Catussatto*
Cláudia Bárbara (prestador de serviço)*
Elaine Tavares da Silva*
Gustavo Pereira Rodrigues*
José Antonio Rodrigues Santos Silva*
Marcos A L. Curti*
Michele Dias Miranda*
Oswaldo Luiz de Souza*
Thiago Domingos da Silva* (estava no posto de gasolina ao lado da TAM Express)

Vamos lutar por Justiça , Vamos lutar por eles, Vamos lutar para que eles não saiam das nossas memórias , Vamos lutar por eles ! #Somostodosumso
Gabriel Carvalho 


ACIDENTE DA TAM

Após 10 anos, ninguém foi punido 

por acidente da TAM em SP


Acidente com avião da TAM no aeroporto de Congonhas completa 10 anos
Acidente com avião da TAM no aeroporto de Congonhas completa 10 anos Foto: Agência Brasil


Passados dez anos, ninguém foi condenado pelo acidente com o Airbus A320 da TAM, ocorrido em 17 de julho de 2007. Nesses anos, o caso foi julgado pela primeira e segunda instâncias da Justiça Federal e todos os denunciados pelo Ministério Público Federal foram absolvidos. Nesses dez anos, a TAM se juntou à empresa aérea chilena LAN, fusão que ocorreu no dia 5 de maio de 2016, e virou Latam Airlines, ou somente Latam como está estampado em suas aeronaves.

O acidente foi investigado por três órgãos. Um deles, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Aeronáutica, que concluiu que uma série de fatores contribuíram para o acidente. O relatório do Cenipa constatou, entre vários pontos, que os pilotos movimentaram, sem perceber, um dos manetes para a posição idle (ponto morto) e deixaram o outro em posição climb (subir). O sistema de computadores da aeronave entendeu que os pilotos queriam arremeter (subir).

O documento também relata que não havia um aviso sonoro para advertir os pilotos sobre a falha no posicionamento dos manetes e que o treinamento dos pilotos era falho: a formação teórica dos pilotos, pelo que se apurou na época, usava apenas cursos interativos em computador. Outro problema apontado é que o co-piloto, embora tivesse grande experiência, tinha poucas horas de voo em aviões do modelo A320, e que não foi normatizada, na época, a proibição em Congonhas de pousos com o reverso (freio aerodinâmico) inoperante, o que impediria o pouso do avião nessas condições em situação de pista molhada.
A Latam Airlines negou que houvesse falhas no treinamento dos pilotos. "O programa de treinamento da companhia já se encontrava dentro do previsto e conforme regulamentações do setor, inclusive com conteúdo e carga horária conforme padrões mundiais", informou. Segundo a Latam, tanto o treinamento quanto os procedimentos dos pilotos são feitos conforme padrões mundiais de segurança e norteados pelos manuais do fabricante e aprovados pelas autoridades do país de origem e órgãos reguladores.
O Cenipa, no entanto, não é um órgão de punição, mas de prevenção. Ele não aponta culpados, mas as causas do acidente. O relatório sobre o acidente, portanto, dá informações e 83 recomendações para que tragédias como essa não se repitam. O relatório feito pela Aeronáutica contribuiu para outras duas investigações, feitas pela Polícia Civil e pela Polícia Federal, que levaram, no entanto, a conclusões bem diferentes sobre os culpados.
O caso foi investigado inicialmente pela Polícia Civil, que decidiu indiciar dez pessoas pelo acidente, entre elas funcionários da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e da companhia aérea TAM. Após o indiciamento policial, o processo foi levado ao promotor Mário Luiz Sarrubbo, do Ministério Público Estadual, que incluiu mais um nome e denunciou 11 pessoas pelo acidente.
 "O acidente poderia e deveria ter sido evitado. A aeronave, com o reverso inoperante, não poderia pousar naquela pista naquela circunstância", disse o promotor.O processo em âmbito estadual agradou às famílias das vítimas. "O processo, como foi feito pelo Dr. Sarrubbo, achei que foi muito bem feito. Apontou gente da Anac, Infraero e TAM. Se não me engano, ele fez uma menção contra a Airbus por não colocar como mandatório aquele dispositivo de segurança [o aviso sonoro sobre o posicionamento dos manetes]", disse Dario Scott, pai de Thais, que morreu no acidente.
Por meio de nota, a Infraero informou que "não falhou". "Restou comprovado, pelo Cenipa, que não houve falha do administrador na liberação da pista. O acidente envolvendo o A320 da TAM foi rigorosamente investigado, conforme Relatório Final da Investigação. As conclusões dispostas no referido documento não apontam a pista como fator contribuinte ao acidente", diz o órgão. A empresa disse ainda que chegou a prestar esclarecimentos à Justiça e que, no decorrer da ação, a empresa foi excluída do processo.
A denúncia do promotor não foi levada à Justiça estadual. O processo foi remetido ao Ministério Público Federal porque, no entendimento do promotor, o caso se tratava de crime de atentado contra a segurança do transporte aéreo, competência federal.
"Em dado momento, na nossa investigação, detectamos que havia muitas questões envolvendo a empresa aérea, o nível de segurança, erros em cadeia que resultaram nos erros fatais cometidos na cabine e, evidentemente, uma sequência anterior envolvendo a empresa, a Anac, a Infraero. Havia também problemas na pista, da falta de grooving. Então era muito mais uma questão sistêmica do que isolada. Quando concluímos a investigação estadual, me manifestei que havia indícios de crime de atentado contra a segurança do transporte aéreo e pedi a remessa dos autos para a Justiça Federal, ou seja, para o Ministério Público Federal", disse Sarrubbo.
Por se tratar de um acidente aéreo, o caso também foi investigado pela Polícia Federal, que finalizou sua investigação decidindo culpar apenas os dois pilotos, Kleyber Lima e Henrique Stefanini Di Sacco, pela tragédia. O inquérito da Polícia Federal se transformou em denúncia e, nesse documento, que foi aceito pela Justiça, o procurador Rodrigo de Grandis decidiu, ao contrário do indiciamento da Polícia Federal, denunciar três pessoas pelo acidente.
"Obviamente os pilotos não conseguiram parar a aeronave e têm responsabilidade. Foram mal treinados ou o que for, não sei, mas infelizmente eles não estão aqui para se defender. Mas é muito simplista eu falar na responsabilidade deles. Isso é cômodo para a TAM, a Anac, a Airbus, a Infraero e não satisfaz os familiares", disse Dario Scott.
Justiça Federal
A ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) Denise Abreu, o então vice-presidente de operações da TAM, Alberto Farjeman, e o diretor de Segurança de Voo da empresa na época, Marco Aurélio dos Santos de Miranda e Castro foram denunciados pelo Ministério Público por "atentado contra a segurança de transporte aéreo", na modalidade culposa. Eles foram absolvidos pela Justiça de primeira instância e também pelo Tribunal Regional Federal.
Os três viraram réus e foram julgados pelo juiz Márcio Assad Guardia, da 8ª Vara Federal Criminal de São Paulo que, em 2015, absolveu-os. Para o juiz, eles não agiram com dolo (intenção).
"[Eles] não praticaram o crime de exposição de aeronave a perigo previsto no Artigo 261 e do Código Penal, seja porque as condutas a eles atribuídas não correspondem à figura típica abstratamente prevista na norma [ausência de subsunção do fato ao tipo], seja porque não se encontram no desdobramento causal - normativo ou naturalístico - do resultado", diz o juiz na sentença. "De acordo com as premissas apresentadas pelo órgão acusatório [MPF], seria possível imputar a responsabilidade penal pelo sinistro ocorrido em 17 de julho de 2007 a um contingente imensurável de indivíduos, notadamente pela quantidade e pelo grau de desvirtuamento apresentados no curso do processo". No mês passado, o TRF manteve a decisão de primeira instância e a absolvição dos réus.
Apesar da demora e da absolvição dos réus nas instâncias iniciais, as famílias ainda acreditam em condenação. "A esperança é que esse quadro seja revertido. Para nós, familiares, essas três pessoas que são réus no processo criminal, tem responsabilidade por expor a aeronave a risco. O que a gente espera é que isso [a absolvição] se reverta e tenha uma punição. Tem que ter", ressaltou Dario Scott.
"Essa questão, eu digo para as famílias, não terminou. Tenho convicção de que a Justiça ainda dará uma resposta ao recurso pendente de apreciação. Tenho a firme convicção de que nós teremos uma resposta positiva da Justiça com a responsabilização penal daqueles que atuaram, eu insisto, não dolosamente, mas daqueles que colaboraram para esse tipo de evento", disse Sarrubbo.
"Continuo entendendo que, na realidade, quando o avião se chocou com o prédio da TAM, ali não foi o início da tragédia. Ali foi o fim da tragédia. O início da tragédia foi a autorização do pouso [no aeroporto de Congonhas]. Essa autorização, nas circunstâncias da pista, nas circunstâncias do avião, naquele momento chuvoso, com pista escorregadia, o avião com o reverso pinado, voo lotadíssimo, não deveria ocorrer. Algumas pessoas deveriam garantir que isso não ocorresse e terminaram não cumprindo com seus deveres", disse o advogado da família, Ronaldo Augusto Bretas Marzagão, que era Secretário de Segurança Pública de São Paulo na época do acidente.
De acordo com o advogado, "a luta continua". "Se ainda tivermos recursos para as cortes superiores, o Superior Tribunal de Justiça e o Supremo Tribunal Federal, continuaremos lutando porque estamos lutando em nome da memória de 199 pessoas mortas. E também estamos lutando para que o Brasil, alertado por essa tragédia, trabalhe incessantemente para que ela não mais ocorra."
Histórico
Eram aproximadamente 18h48 do dia 17 de julho de 2007 quando o Airbus A 320 da TAM, que vinha do aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, tentou pousar no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. A pista estava molhada e, por causa de uma reforma recente, não tinha grooving (ranhuras, que facilitam a frenagem do avião). De acordo com as investigações, por um erro no posicionamento dos manetes, que determinam a aceleração ou reduzem a potência do motor, a aeronave não parou. Um dos manetes estava na posição de ponto morto (idle), mas o outro em posição de aceleração.
O airbus atravessou a pista, passou sobre a Avenida Washington Luís e bateu num prédio de cargas da própria companhia, provocando a morte de 199 pessoas.
A situação da pista gerava, segundo investigação do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea, uma certa preocupação e desconforto para os pilotos que tinham que pousar em Congonhas, principalmente quando chovia, como era o caso do dia do acidente.
Além disso, segundo o relatório do Cenipa, que investigou todas as causas do acidente e apontou uma série de recomendações para prevenir futuros acidentes, outro problema foi que o avião operava com um reverso (sistema de freio aerodinâmico do motor) desativado (pinado), o que exigiria mais pista para parar a aeronave.O advogado que defende as famílias também espera pela reforma da sentença nas instâncias superiores e na punição aos culpados pelo acidente.
Fonte: Terra